sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Brasil recicla 17,7 bilhões de latas de alumínio em 2010

Índice de 97,6% mantém país na liderança do ranking mundial pelo décimo ano consecutivo
A Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas) e a Associação Brasileira do Alumínio (Abal) divulgaram nesta quinta-feira, em Brasília, o novo índice de reciclagem de latas de alumínio para bebidas, que, pelo décimo ano consecutivo, é o maior do mundo. O país reciclou 239,1 mil toneladas de latas de alumínio para bebidas, das 245 mil toneladas disponíveis no mercado em 2010. Com isso, a reciclagem atingiu 97,6% das latas comercializadas, o equivalente a 17,7 bilhões de unidades.
O diretor executivo da Abralatas, Renault Castro, destaca que a indústria fabricante de latas de bebidas tem acompanhado o aumento da demanda, com investimentos de mais de US$ 765 milhões. “Esses investimentos aumentarão em 50 % a atual capacidade instalada do setor, elevando-a para 25 bilhões de latas/ano”, ressalta.
Para o coordenador da Comissão de Reciclagem da ABAL, Henio De Nicola, o resultado superou as expectativas do setor. “O índice de reciclagem de 2010 foi muito próximo ao recorde de 98,2% atingido em 2009, mostrando a maior eficiência da reciclagem, que absorveu e acompanhou o significativo incremento da produção e comercialização de latas de alumínio. É um feito para se comemorar, pois ratifica a hegemonia do País no cenário mundial da reciclagem”.

Vantagens socioeconômicas e ambientais
A reciclagem de latas de alumínio para bebidas movimentou no ano de 2010 cerca de R$ 1,8 bilhão. Somente a etapa de coleta injetou R$ 555 milhões na economia nacional, o equivalente à geração de emprego e renda para 251 mil pessoas.
Além dos benefícios sociais e econômicos, a reciclagem de latas de alumínio também favorece o meio ambiente. O processo de reciclagem utiliza apenas 5% da energia elétrica e libera somente 5% das emissões de gás de efeito estufa quando comparado com a produção de alumínio primário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar!